terça-feira, agosto 30, 2011

Quem me roubou de mim?


Nem sempre fazer uma leitura da situação em que estamos passando é fácil , seja do aspecto profissional , financeiro e principalmente emocional . Falo isso , porque sempre que imaginamos doenças sérias, tragédias, acidentes, achamos que só acontecem com os vizinhos, nunca conosco.Imagine as doenças emocionais , estas então nunca vão morar na casa onde se vive.
No que vamos falar , não sei se podemos chamar de casa , na verdade é um cativeiro onde o outro se deixa enredar numa teia de sedução sem limite do parceiro que sempre parece bom em demasia , com grande boa vontade e cumpridor de suas promessas , como se fosse a tábua de salvação para as suas maiores necessidades , seja quais forem : dinheiro, , viagem, carência afetiva entre outras.
O problema é quando sem perceber o pacote de generosidade começa a ser cobrado , de forma elegante, sutil , sem que se perceba tão grande o requinte intelectual é feito. Tudo é tão bem feito  e o outro que sofre na pele com isso  não consegue sentir-se livre , nem pra fazer as coisas mais simples da vida e que nunca deixaria de fazer como : descer até a esquina para dar um mergulho na praia, encontrar os amigos , tomar um chope sozinho no  balcão do bar ao lado de casa, conversar com o dono da banca de revista , discutir futebol com o amigo e assistir o jogo com ele , entre outras pequenas coisas
Parece que , uma nuvem de fumaça atrapalha sua visão e o suposto devedor começa a fazer aquilo que não faria nem junto , muito menos separado. Mas faz, pois sente-se culpado em relação ao outro , embora não saiba o motivo.  E pior, ainda abre mão dos seus desejos em nome de acertar a relação com o outro , com quem sente-se sempre em débito.
Assisti uma reportagem em que baseio a minha crônica de uma psicanalista famosa chamada Silvia Malamud ,  o qual chama esse tipo de aprisionamento de : Sequestro da alma. E que consiste em nos perdermos, perder o direito de decidir sobre a nossa vida, perder a subjetividade em função do outro, viver dependentemente, no campo da própria alma ao outro. Esquecer de quem somos, da nossa totalidade e passamos a viver sem escolha, onde o outro suga ate mesmo nossa historia, nossa singularidade e nosso ser.
Tem um pedaço da letra da  canção “Eu te darei o céu” do Roberto e Erasmo Carlos , que diz assim :
“ quanto tempo eu vivi a procurar, por você , meu bem
Até lhe encontrar . Mas se você pensar em me deixar .
Farei o impossível pra ficar.
Até...”
Nada mal pra o sequestrador , que não quer obter nenhuma vantagem material sobre o seu refém , mas sim a dependência emocional deste , que se não lutar e procurar realmente ajuda (amigos, família e principalmente terapia) não conseguirá fugir do cativeiro e poderá além da auto estima já destruída , efeitos devastadores em sua vida e para o resto dela.
Assim como diz Silvia Malumud :
“ Lembre-se que a vida é única e que estamos aqui para sermos felizes de verdade . Não se acostume com o que não lhe faz bem , tudo pode mudar pra melhor. Ouse e conquiste.”

NEM TUDO É MENTIRA

Dica de filme : A FELICIDADE NÃO SE COMPRA – Direção Frank Capra .

8 comentários:

  1. Lindo, humano, real, bela Noca... Quando suscetíveis não apenas ao bem, a beleza da exposição nua e crua e sua coragem nos torna reais e aí, minha amiga, resplandecemos a beleza. Linda crônica! Parabéns

    ResponderExcluir
  2. PERFEITO NOEMY! COMO SEMPRE.......

    ResponderExcluir
  3. Excelente cronica!Parabéns! Quem me roubou de mim???

    ResponderExcluir
  4. Triste verdade!
    Nadia Magalhães

    ResponderExcluir
  5. Oi, cheguei aqui pelo Dihitt e realmente fiquei encantada com o seu blog. Parabéns!

    Depois passe lá no meu blog
    também sou fã das crônicas do nosso dia-a-dia.

    bjos
    claudinha

    http://clpompeu.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir